terça-feira, 4 de junho de 2013

Mapas e Geografia


Uma das preocupações da ciência geográfica é o espaço e as relações do homem com o mesmo, historicamente o mapa tem sido usado para representação espacial dos acontecimentos na terra. A proteção contra inimigos, ou seja, a defesa e o ataque são um dos fatores que contribuíram com a precisão dos mapas atuais, bem como a localização de recursos naturais, como alimentos e água. A elaboração de mapas simples ou complexos está ligado aos percursos/itinerários feitos pelo homem, sua memorização e por último sua representação e construção. Segundo Sanches existem vários tipos de mapas, entre eles:   Carta: Representa parte da superfície terrestre em escalas grandes, oferecendo algum detalhe, Mapa: È preciso, em escalas menores, oferecendo menos detalhes, Cartograma: Não oferece tanta precisão, preocupando-se com a distribuição espacial dos recursos e acontecimentos
Os mapas são usados em muitas atividades desenvolvidas pelo homem, tais como: a navegação aérea e marítima, turismo, exploração de minérios e principalmente a atividade militar, lembrando a evolução da tecnologia dos satélites que oferecem precisão e velocidade de localização; Percebemos com isso que a evolução e uso dos mapas está intimamente ligado também com a manutenção do poder, disputas territoriaIs e interesses específicos de determinados grupos humanos, lembramos aqui da importância do domínio do mar mediterrâneo para civilizações/impérios como Cartago e o Império Romano.
O homem e outros animais possuem habilidade espacial que lhes oferecem percursos e facilitam na localização e memorização dos objetos, essa habilidade e denominada graficacia, a articulacia é a habilidade de comunicação por ruídos/sons, a escrita desenvolvida pelo homem e chamada de literacia, e a numeracia e a habilidade de trabalhar com símbolos numéricos, relacionando-os com acontecimentos terrestres.
Cada mapa possui uma finalidade específica (lembrando dos interesses de certos grupos humanos), bem como é produzido por uma pessoa/grupo para outra pessoa/grupo, não atendendo as necessidades reais de todas as pessoas/grupos, EX: mapas que mostrem a distribuição espacial de minérios geralmente atende ao interesse dos grandes especuladores e o do estado.
Na atualidade os mapas e os recursos tecnológicos são altamente precisos, uma determinada área é analisada levando em consideração também aspectos sociais, que envolvem o homem e sua atuação econômica, cultural, política, entre outras. Historicamente, o homem no intuito de movimentar-se, desde tempos remotos, representou a paisagem utilizando-se de símbolos relacionados com o que via, essa habilidade confunde-se com a própria escrita, ou mesmo à antecede
No processo de mapeamento, à quantidade de informações contida no mapa constituem fator fundamental, essas informações devem estar legíveis, possuir clareza e objetivo; à saturação ou a má representação das informações contidas no mapa podem prejudicar sua leitura e seu uso. A ciência cartográfica necessita do apoio de outras áreas da ciência, bem como de aparelhos específicos como a bússola, radares, entre outros; cada mapa elaborado tem uma finalidade, portanto suas dimensões são relativas ao objeto/lugar a ser representado, cada qual com sua escala, oferecendo mais ou menos detalhes da informações contidas no matéria cartográfico. O mapa nos dá um ponto de vista vertical (cima) da terra/solo, diferentemente da visão real, onde o plano geralmente é horizontal (frente).
Os mapas são utilizados no ensino de várias disciplinas escolares, mas é a geografia que pode trabalhar com a didática do mesmo, desenvolvendo na criança uma noção de espaço. O problema é que os mapas são feitos por adultos e para adultos, faltando ainda na ciência geográfica um desenvolvimento de mapas específicos para as crianças, que facilite o ensino-aprendizagem, a visualização e o desenvolvimento da leitura de mapas com mais informações contidas. Segundo Lívia de Oliveira, no ensino do mapa, três aspectos devem ser analisados: os tipos de mapas escolares utilizados e disponíveis para o uso nas diversas escolas; a seleção dos mapas e suas funções em sala de aula; e por ultimo, mas de forma não menos importantes, o preparo dos professore no tocante dos mapas. Percebemos então que os tipos de mapas disponíveis nem sempre serão os mapas certos para certos assuntos, e que o professor de geografia tem dificuldades de trabalhar a didática correta dos mapas em sala de aula, em vista da sua formação acadêmica, onde o licenciado em geografia tem pouco contato com as disciplinas cartográficas, que estão mais presentes no bacharelado.
Os mapas parecem ter mais importância para fins específicos, onde ele é consultado só quando se deseja algo mais preciso, como em uma viagem, por exemplo; não está inserido de fato no cotidiano das pessoas, sua leitura correta é sempre muito difícil, alias, elementos da própria geografia são desconhecidos pela maioria como  a noção de direção (norte, sul, leste e oeste), fundamental para uma boa leitura de um mapa, percebemos ainda um habito de decorar conteúdo na geografia, e não de entender uma realidade sócio-espacial de um país, um continente, ou mesmo uma cidade. Um exemplo na cidade de dourados é que as crianças, os mais jovens desconhecem o nome dos córregos que atravessam o município, bem como sua ligação com uma bacia maior e um rio que dá nome à própria cidade; Todavia com certeza já ouviram falar do rio Tiete em São Paulo-SP; È também necessário um desenvolvimento de uma geografia regional e local, que aos poucos possa ser inserida nas escolas, com o uso de textos e mapas, bem como vídeos e imagens que retratem um entendimento do local para o global, de uma realidade vivida e outra a ser percebida e entendida.


BIBLIOGRAFIA CONSULTADA:

Oliveira, Lívia de. Estudo metodológico e cognitivo do mapa. São Paulo: USP  - Instituto de Geografia, 1978.


ATLAS GEOGRÁFICO MELHORAMENTOS. Pe Geraldo José Pauwels – Edição 66 65 64 – Ano 2004 03 02 01 00.

Relatório apresentado pelo aluno João Paulo M. Marin
Disciplina: Cartografia Temática
Curso de Geografia - UFGD - 2009
Prof. Charley Aparecido

Nenhum comentário:

Postar um comentário